Operação para combater milícia que atua na Baixada Fluminense prende 9 pessoas; quatro são PMs

Dois suspeitos ainda estão foragidos. Há cerca de dez meses um grupo passou a praticar extorsões, sob o pretexto de oferecer uma suposta 'segurança' em localidade de Mesquita.

0
73

A Polícia Civil, com apoio do Ministério Público e da Corregedoria da Polícia Militar, prendeu nove suspeitos, entre eles quatro PMs, que são apontados como integrantes de uma milícia instalada em Mesquita, na Baixada Fluminense. Até às 14h30, dois suspeitos estavam foragidos, segundo informação da polícia. A ação foi desencadeada na manhã desta quarta-feira (14).

As investigações tiveram início a partir da denúncia de uma vítima que esteve na Draco e relatou que há cerca de dez meses um grupo da região passou a praticar extorsões, sob o pretexto de oferecer uma suposta “segurança”.

A testemunha afirma que passou a sofrer cobranças e que o grupo impôs o pagamento de uma taxa para cada uma das lojas que ele possuía, totalizando R$ 1 mil semanais pelas duas lojas. O líder das ações foi identificado como o policial militar Márcio Lima Cunha, conhecido como “Zebu”, que está entre os policiais presos na ação desta quarta.

“A pessoa que é apontada como líder é um policial militar. As prisões dos PMs são cautelares, instrumentais, para continuarmos a investigação, para dar tranquilidade para as buscas e apreensões feitas hoje e para que vítimas, mesmo que anonimamente, venham prestar depoimento”, disse o promotor do Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) da Baixada, Fábio Corrêa.

Ao se recusar a pagar a “taxa de segurança”, a vítima, que também é policial militar, sofreu uma emboscada praticada por integrantes do grupo liderado por Zebu. Um amigo que o acompanhava foi atingido por disparos e morreu no local. A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense abriu inquérito para investigar o homicídio.

Equipes da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) saíram ainda durante a madrugada da Secretaria de Segurança, no Centro do Rio, para realizar buscas no município de Mesquita e no batalhão da cidade, onde três dos PMs presos são lotados. Os agentes também contaram com o apoio de homens da Força Nacional na ação.

De acordo com o titular da Draco, delegado Alexandre Herdy, o grupo é suspeito de explorar vários serviços. “Além de cobrar pela taxa de segurança a residências e comerciantes, as investigações apontaram que havia a distribuição de sinal clandestino de TV a cabo, venda de água e de gás, exploração de transporte alternativo, liberação de vias para shows (pagodes), cestas básicas, empréstimos de dinheiro a juros e serviços de mototáxis.”, explica o delegado.

POlícia apreendeu armas, munição e dinheiro em operação para combater milícia na Baixada Fluminense (Foto: Henrique Coelho / G1)

POlícia apreendeu armas, munição e dinheiro em operação para combater milícia na Baixada Fluminense (Foto: Henrique Coelho / G1)

Além de Zebu, foram expedidos mandados de prisão temporária contra Paulo José Lírio Salviano, André Lemos da Silva, Natanael de Oliveira Gonçalves, Daniel Alex Soares da Silva, o Escobar, Renato de Castro de Oliveira, André Silva Nicodemus, o Geladeira, e Tiago Costa Gomes, sendo que os dois últimos continuam foragidos.

Eles são investigados pelos crimes de constituição de milícia privada e extorsão. Dez mandados de busca e apreensão também estão sendo cumpridos.

DEIXE UMA RESPOSTA