Guia mistura turismo com aulas de história em trilhas na Baixada

891
Monique Silva nasceu aventureira. Quando era pequena, sonhava subir todos os morros que via pelo caminho.

Como ninguém da família compartilhava o espírito da menina, ela só foi fazer a primeira trilha aos 17 anos. Hoje, aos 28, a moradora de Austin, em Nova Iguaçu, é dona da empresa Vem Trilhar e lidera grupos em passeios pelas florestas do Rio e da Baixada.

— Para mim, fazer trilha é uma terapia. O contato com a natureza e com as paisagens bonitas alivia o estresse. Também aproveito para mostrar curiosidades do local e acrescentar um pouco de história ao passeio — explica a guia turística.

Monique leva grupos para fazer trilhas pelo Rio e pela Baixada
Monique leva grupos para fazer trilhas pelo Rio e pela Baixada Foto: Cléber Júnior / Extra

Estudante de Educação Física na Uniabeu, Monique é técnica em turismo e faz trilhas com grupos há oito anos. As mais procuradas pelos aventureiros são a da Pedra do Telégrafo, em Barra de Guaratiba, e a Cachoeira do Mendanha, em Campo Grande, ambas na Zona Oeste do Rio.

Trilha leva a várias cachoeiras em reserva de Caxias
Trilha leva a várias cachoeiras em reserva de Caxias Foto: Cléber Júnior / Extra

Na Baixada, o Parque Municipal da Taquara, em Caxias, onde foram feitas as fotos desta reportagem, é procurado pelas cachoeiras, como a Véu da Noiva.

— Aqui ficavam quatro fazendas que fabricavam farinha de mandioca. Foi numa delas que nasceu o Duque de Caxias. Uma das trilhas leva até Petrópolis e era usada como rota de fuga pela família imperial — conta Monique.

Visitantes aproveitam o poço no Parque municipal da Taquara, em Caxias
Visitantes aproveitam o poço no Parque municipal da Taquara, em Caxias Foto: Cléber Júnior / Extra

A guia quer expandir a empresa e acrescentar esportes radicais. Para se preparar, ela fez curso de rafting, canoagem e vela. Agora, pretende aprender escalada e rapel:

— Quero incluir outras formas de turismo. Mas sem esquecer o contato com a natureza e a história dos lugares, que são as marcas registradas da Vem Trilhar.

Pilhas de lixo atrapalham a trilha e prejudicam a natureza no Parque municipal da Taquara, em Caxias
Pilhas de lixo atrapalham a trilha e prejudicam a natureza no Parque municipal da Taquara, em Caxias Foto: Cléber Júnior / Extra

Problemas no caminho

O aumento da violência na Baixada tem atrapalhado a vida dos aventureiros. Monique parou de guiar grupos pelo Parque Municipal de Nova Iguaçu e também pelo Pico da Coragem, em Japeri.

— A reserva de Nova Iguaçu tem uma entrada por Mesquita que está tomada pelo tráfico. Na última vez, os bandidos me mandaram voltar no meio do caminho. Em Japeri, o problema fica no bairro Guandu — denuncia.

Placas e estrutura do Parque municipal da Taquara estão precárias
Placas e estrutura do Parque municipal da Taquara estão precárias Foto: Cléber Júnior / Extra

Na Taquara, o problema não é o tráfico. O que desanima os praticantes de trilha é o lixo espalhado pelo caminho e até na beira do rio. O estado de conservação das placas também é precário.

Segundo o secretário de Meio Ambiente de Caxias, Luiz Renato Vergara, o lixo foi acumulado durante o carnaval e a coleta é feita a cada 15 dias. Ele afirma que a reestruturação do parque será feita pela Coca-Cola — que vai abrir uma fábrica na área de amortecimento da reserva — no segundo semestre. Ela custará R$ 4,5 milhões.

Monique é dona na empresa Vem Trilhar
Monique é dona na empresa Vem Trilhar Foto: Cléber Júnior / Extra

Cachoeira da Taquara: Trilha leve, em Caxias.

Cachoeira de Xerém: Meia hora de trilha leve, Caxias.

Serra do Vulcão: Três horas de subida ingrime, Nova Iguaçu.

Tinguá: Trilhas de todos os tipos, Nova Iguaçu.


 

Contato da Monique: 97966-2013 e www.facebook.com/VemTrilharOficial

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui