Flamengo volta à Baixada em sua estreia no estadual e só empata com o Boavista

Após cinco anos de espera, o reencontro do torcedor do Flamengo com seu time em Mesquita, na Baixada Fluminense, não foi exatamente do jeito que eles esperavam.

956
Na noite de sábado (30), a equipe tropeçou em sua estreia no campeonato estadual.

Embalados depois da boa vitória sobre o Atlético Mineiro pela Copa Rio Sul Minas, no meio da semana, os rubro-negros tiveram que se contentar apenas com o empate por 1 a 1 diante do Boavista, no estádio Giulite Coutinho. Os mais de sete mil torcedores que compareceram ao estádio do América viram os centroavantes Paolo Guerrero e Leandrão balançarem as redes adversárias – um em cada tempo – e darem números finais ao confronto. Com o resultado as equipes somam um ponto em seus respectivos grupos. Nessa primeira fase, os oito times de um grupo enfrentam os oito do outro. O Boavista está no grupo A, juntamente com Vasco e Fluminense, enquanto o Flamengo integra o B, assim como o Botafogo.

Com boas expectativas para a temporada, a torcida compareceu e coloriu de vermelho e preto os arredores do estádio. Acostumado a acompanhar o Flamengo nos jogos do Maracanã, o estudante Nicolas Leite dos Santos, de 17 anos e morador de Nilópolis, aproveitou a proximidade de casa para apoiar o time do coração: “o diferencial de vir ao jogo aqui é o deslocamento, que fica muito mais fácil, além da possibilidade de vir com os amigos e de sair mais barato”, alega. Dentre os três amigos que o acompanhavam, um aproveitou a oportunidade para assistir ao Flamengo de perto pela primeira vez na vida. O jovem estudante Gabriel Wallace Peclat, também de 17 anos, destacou o feito: “o fato de o jogo ter sido perto da minha casa foi essencial para minha primeira vinda a um estádio”. E mesmo com o resultado adverso, o estudante aprovou a experiência e já planeja o retorno. “Fiquei no centro da torcida e foi bem marcante sentir na pele como é torcer no estádio pelo seu time. Pretendo vir a outros jogos para aproveitar ao máximo enquanto o time está aqui perto”.

Mais crítico, seu amigo Nicolas também pretende retornar ao estádio, mas faz ressalvas quanto ao desempenho da equipe. “Espero voltar sim, mas se continuar jogando desse jeito vou parar de vir”, adverte em tom de brincadeira, para em seguida destacar que o primeiro tempo do time foi muito bom, mas que a equipe o decepcionou na segunda etapa, quando cedeu o empate ao time visitante. Nenhum incidente grave foi registrado no estádio, que chegou a ser interditado pela Prefeitura de Mesquita na véspera do jogo. No entanto, de negativo, os problemas de sempre: o acesso ao estádio e a ação de cambistas, que podiam ser encontrados a cerca de 500 metros do local da partida, minutos antes do jogo. Os torcedores relataram certa dificuldade na entrada e na saída do estádio, em função do fluxo de pessoas e do projeto urbanístico do local, que tem vias estreitas. Dentro do estádio, porém fora de campo, as instalações de imprensa que deixaram a desejar, exigindo criatividade e improviso dos profissionais que cobriram a partida.

O jogo

Durante os 90 minutos, o que se viu foi uma partida um tanto truncada e lenta, muito em função do gramado alto, como se queixou na entrevista coletiva o técnico rubro-negro Muricy Ramalho. Contudo, apesar das adversidades, o Flamengo que entrou com o lateral Chiquinho improvisado no meio em função dos desfalques no início da temporada, começou melhor e levou perigo ao gol do Boavista, após boa trama do volante Willian Arão com o atacante Guerrero, que foi parado pelo goleiro Vinícius, aos 25 minutos. Cinco minutos depois, no entanto, em novo duelo entre o centroavante e o arqueiro, melhor para o peruano, que limpou a marcação para sua direita e acertou um belo chute no ângulo esquerdo do gol adversário. 1 a 0 e festa nas arquibancadas. Ainda na primeira etapa, o Flamengo poderia ter ampliado em pelo menos mais duas boas jogas de Éverton e de Arão com Marcelo Cirino, ambas desperdiçadas pelo camisa 7, aos 33 e 34 minutos.

No segundo tempo, o Flamengo voltou com uma proposta de cadenciar o jogo e, embora tenha dominado as ações, não levou perigo ao gol do Boavista, com exceção de uma boa cabeçada de Guerrero, aos 15 minutos, que foi para fora. No entanto, a vitória que parecia certa começou a escapar aos 31 minutos da etapa derradeira, quando o centroavante Leandrão, ex-Vasco, completou de cabeça um cruzamento da direita, sem chances para o goleiro Paulo Victor. Com o empate o time rubro-negro ainda tentou retomar a vantagem no placar, mas já demonstrava não ter pernas para reagir. Nem mesmo as entradas dos meias Jajá e Thiago Santos, nas vagas de Everton e Cirino, respectivamente, surtiram efeito e a partida terminou mesmo 1 a 1.

Vídeo dos melhores momentos

Flamengo voltará a Mesquita pelo estadual

Nas arquibancadas, a torcida vaiou o time após o apito final e elegeu o vilão pelo tropeço na estreia. Após o gol de empate dos visitantes, o zagueiro Wallace passou a ser vaiado toda vez que tocava na bola. Na entrevista coletiva, no entanto, Muricy Ramalho tratou de defender seu atleta: “a torcida precisa entender que a dupla de zaga (composta também por Juan) está bem e que inclusive hoje o Wallace jogou bem”. O técnico destacou ainda a ofensividade do time. “Criamos muitas oportunidades, mas não acertamos. Com isso vocês podem ver que o time joga pra frente”, argumenta. Muricy declarou ainda que em seu próximo jogo como mandante, o Flamengo deverá pedir para abaixar o gramado, para que o jogo flua com mais rapidez. Além do estado do campo, o treinador ainda elencou o início de temporada e especialmente o desgaste da partida anterior, diante do Atlético, para justificar a queda de rendimento da equipe no segundo tempo.


FICHA TÉCNICA

FLAMENGO 1 X 1 BOAVISTA

Local: Giulitte Coutinho, em Mesquita (RJ)
Data/Hora: 30/1/2016, às 19h30
Árbitro: Leonardo Garcia Cavaleiro (RJ)
Auxiliares: Luiz Claudio Regazone (RJ) e Diogo Carvalho Silva (RJ)
Renda e público: R$ 159.400,00 – 6.218 pagantes e total de 7.318 presentes)
Cartão amarelo: Júlio César (BOA)
Cartão vermelho: –
Gols: Guerrero – 28’/1ºT (1-0) e Leandrão – 31’/2ºT (1-1)

FLAMENGO: Paulo Victor, Rodinei, Wallace, Juan e Jorge; Márcio Araújo, Willian Arão e Chiquinho; Marcelo Cirino (Thiago Santos – 32’/2ºT), Everton (Jajá – 25’/2ºT) e Paolo Guerrero. Técnico: Muricy Ramalho

BOAVISTA: Vinícius, Nerylon (Thiago Silva – Intervalo), Victor, Anderson Luiz e Davi; Douglas Pedroso, Júlio César (Thiaguinho – Intervalo), Romarinho (Lucas – 21’/2ºT) e Guilherme Costa; Matheus Paraná e Leandrão. Técnico: Rodrigo Beckham

O time rubro-negro volta a jogar em Mesquita no dia 27/2 contra o Resende e depois deve encarar o Bangu no mesmo local, no dia 6/3, pela 7ª e 8ª rodada. Além do Flamengo, o Vasco também jogará no Giulite Coutinho já na próxima quinta-feira (4), contra o América, que este ano voltou à elite do campeonato estadual e mandará seus jogos em casa, na Rua Cosmorama, número 200.


Tigres estreia com derrota

Único representante genuíno da Baixada Fluminense na edição atual do estadual, o Tigres do Brasil, sediado em Xerém, foi derrotado pela Portuguesa da Ilha do Governador, fora de casa, por 3 a 2, na tarde deste sábado. O time de Duque de Caxias volta a campo na quinta-feira (4), contra o Bangu.


Por Glauber Tiburtino

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.