Anvisa proíbe venda de canela com pelo de roedor acima do limite permitido

0
153
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a fabricação, distribuição e venda de um lote da canela em pó da marca Pachá, por ter pelo de roedor “acima do limite de tolerância”.

A medida afeta o lote 07/2015, com validade em maio de 2016. O produto é vendido em embalagens com 30g. O limite de tolerância da agência reguladora é que cada 50 gramas de canela tenham, no máximo, um fragmento de pelo de roedor.

A decisão foi publicada no”Diário Oficial da União” desta segunda-feira e levou em conta um laudo emitido pelo Instituto Octávio Magalhães da Fundação Ezequiel Dias (IOM/FUNED) , que apresentou resultado insatisfatório. Além disso, a Vigilância Sanitária de Alimentos de Minas Gerais já havia determinado a interdição cautelar do produto no estado.

A resolução já está em vigor.

Entenda os limites

A Anvisa tem uma resolução que determina até que ponto a presença de matérias estranhas em certos produtos é permitida. Segundo a Anvisa, é considerado um item estranho qualquer material que não faça parte da composição do alimento e que possa estar associado a condições inadequadas de produção, manipulação, armazenamento ou distribuição.

De acordo com a agência reguladora, o padrão está entre os mais rígidos do mundo. Como a canela é extraída da casca de uma árvore, pode eventualmente carregar fragmentos de insetos. Por isso, a Anvisa considera aceitável que 50g canela tenham até 100 fragmentos de insetos. A mesma quantidade da especiaria pode ter até um fragmento de pelo de roedor para ser aprovada pela Anvisa.

DEIXE UMA RESPOSTA